× Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Calo ou Falo
Este corte,/ A boca, /Meu melhor açoite;/Sangra palavras!
Textos
TROCO
Meu tio era do comércio.
A caridade é cautelar.
Livros?! Melhor esconder que emprestar.

Tem coisas, entretanto, que não vendo,
Entre tantas que não dou, que não empresto.
Tentei trocar, por gaiolas, versos;
Não salvei sequer um melro.

Poemas , insistirei, troco
Mas vou diversificar
Para encontrar meu mercado.

Aceito como escambo,
Além dos alçapões para aves,
Armas de fogo de pederneiras,
Armas de assalto semi- automáticas.
Armas brancas, de qualquer letalidade.

Armas de caça,
Tiro curto, tiro longo,
Garrucha de dois canos,
Rifle de repetição.

Confie,
Destruirei o mecanismo de repercussão;
O fuzil da espoleta,
Separarei o gume da aflição.

Ofereço,
Alça e massa
Cadência na rima.
Rajadas no coração,
Alma raiada de emoção!

Meu tio era do comércio:
- Guarde o troco!
Ou compro balas?!
Balas ou munição?!
Luís Carlos Oliveira Aseokaynha
Enviado por Luís Carlos Oliveira Aseokaynha em 03/03/2018
Alterado em 03/03/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários