Calo ou Falo
Este corte,/ A boca, /Meu melhor açoite;/Sangra palavras!
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

VOO CÉU
O olho era menino quando o risco fez-se no azul.
Fosse a plataforma de lançamento o campo da bola...
Não mais longe era a pista de aviação mais próxima.
Hora de coroar nos ventos ascendentes que sopram ao cruzeiro.
A pipa por um fio, o papel de seda, o bambu,
O vento, tudo veio da China.
O mais pesado primeiro, depois o mais leve que o ar o suplantou;
A histeria testemunha  ainda levita, chapéus aos ares.
Com a senha na íris saltou dos desafios aos horizontes,
Linhas dos mares nas engrenagens das manivelas.
Disse à mãe: - voltei de Roma!
Traduziu verdades, pilhou os falsos, os defraudadores, os que burlam.
Inigualável, inconfundível, insuperável
Ao desvendar a válvula, ao dedilhar a dúvida, ao cunhar moedas,
Ao postar as asas abertas ao galanteio.
Saboreia a glória do voo sobre a própria fazenda,
Terras que herdou da infinita inquietude eterna.
Plantações de raízes, de folhas, de sementes
Que são servidas na varanda de um poema.
Luís Carlos Oliveira Aseokaynha
Enviado por Luís Carlos Oliveira Aseokaynha em 17/09/2018
Alterado em 31/10/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários