Calo ou Falo
Este corte,/ A boca, /Meu melhor açoite;/Sangra palavras!
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

NAQUELE DIA
Sombras jamais,
Aquilo era sobra de luz;
Sobre a pedra da pia
Panos coando a fé,
Alguma chuva pela fresta da janela.

Os outros parentes
De carro chegando.
Fulano de Fulana,
Beltrano de Beltrana...

A matrona jazia,
Descansou, diziam;
Os terços calejados
Sopravam pedidos de perdão.

Deixou no guarda roupa
Uma bolsa couro
Branca de trinco dourado;
Sapato de festa...

Corrije-se um menino,
Sicraninho de Sicrana,
Aquele mais se parece,
O espaço enchia-se
De solenes murmúrios
E rebeldes silêncios.
Luís Carlos Oliveira Aseokaynha
Enviado por Luís Carlos Oliveira Aseokaynha em 18/06/2017
Alterado em 12/07/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários