Calo ou Falo
Este corte,/ A boca, /Meu melhor açoite;/Sangra palavras!
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

AGALMA

Ao Jailton

Daquelas longas marchas que fazíamos
Lembro-me que queria obedecer ao regulamento
E olhava fixamente para a mancha branca
Que ressaltava da cabeleira em nuca do companheiro da frente!

Um ouvido na cadência que regia o choque,
Generalizando as patentes;
O outro pavilhão e bigorna nas ferraduras do galope;

Um olho na crina,
O outro olho nas sombras no páteo.
A depender do ângulo obtuso do sol mais alto
Estas se permitiam mais que a libido,
Insubordinadas energias no calor do asfalto.
Dos valores têmpera e agalma!

- Com ele eu cri, sem ver, em nada mais que a verdade,
Dos valores têmpera e agalma!
Sem olfato, paladar ou tato
Que a longarina, por exemplo, tem alma!
E aprendi que, mesmo sem sentidos,
A imobilidade não é boa qualidade para as estátuas.
Luís Carlos Oliveira Aseokaynha
Enviado por Luís Carlos Oliveira Aseokaynha em 03/05/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários