Calo ou Falo
Este corte,/ A boca, /Meu melhor açoite;/Sangra palavras!
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

DIORAMA

O chão é o mesmo do pátio;
Cruzou suado ares e réstias de luz:
Passos cronometrados.

Chamavam trabalho
Ao que padecia de cuidados;
O homem réu de seus sentimentos.

Adotando pensamentos
E amuletos para sufragar
O destino muito mais- muito mais instante.

Hoje parece que ia feliz
Tempo passado- silêncios em frêmito,
As carências foram escritas à óleo e giz,

Adentrou até a longarina da alma!


Luís Carlos Oliveira Aseokaynha
Enviado por Luís Carlos Oliveira Aseokaynha em 24/03/2017
Alterado em 24/03/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários